2.2.13

Vida Estadunidense

"É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão. O importante é aproveitar o momento e aprender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem saber ver" Gabriel Garcia Marquez

Janela do condo. Bacana demais ver os esquilos brincarem.
Apenas no título dessa postagem vou usar o termo estadunidense para uma vida tipicamente americana, que é assim que costumamos nos expressar no dia-a-dia.
Hoje após um longo e intenso processo consegui efetivar minha internet em casa. Foram alguns dias de muitas ligações e horas no telefone. Mas consegui.
Hoje escrevo pela primeira vez de minha casa em Cambridge, não aquela Cambridge, maravilhosa Cambridge, inglesa, também não aquela Cambridge vizinha de Boston e que costumo passar alguns dos melhores dias do ano. Essa Cambridge é uma rua de Houston e muito agradável.
Quando fui alugar nem me atentei para o fato do endereço da casa ser em uma rua que para mim tem um significado único e que permeia como sou. Essa foi uma feliz coincidência.
Dois motivos delinearam a minha escolha por alugar uma casa sozinho e ter que passar por todos os processos normais de mudança como assinar internet, telefone, energia elétrica. Os dois praticamente com o mesmo peso.
O primeiro deles foi viver efetivamente uma vida americana. Sentir como as pessoas vivem aqui, quais são as vantagens e seus desafios. Algo que dificilmente conseguiria fazer se vivesse em uma casa de estudante. Foi assim em Cambridge na Inglaterra também. É preferível, para mim, passar por alguns problemas como esse, a me furtar de viver e me sentir como todos por aqui. Passar três dias conversando no telefone, sendo entendido e fazendo-se entender é prova que TOEFL, IELTS nenhum mede. Digo agora que uma boa prova seria a de assinar um serviço das operadoras daqui. Não por ser ruim, mas por terem alguns problemas e qualidades parecidos com os serviços do Brasil (claro há diferenças nas máquinas). A partir desse tipo de atividade, cotidiana, que se pratica inglês e que, principalmente se conhece a cultura, que apesar de parecer igual tem sutis diferenças
O segundo motivo para ter escolhido morar sozinho, e não menos importante, é poder receber amigos em casa o tempo todo. Em todos os lugares que vivi, meus amigos sempre souberam que ali estava um lugar para onde eles poderiam ir sempre que precisassem ou quisessem.
 Considero uma dádiva poder receber pessoas em casa seja para passar um dia, uma semana ou um mês. É assim quando visito meus amigos espalhados pelo mundo.
Sendo assim, por favor, considere esse pedacinho na Rua Cambridge, como o seu lugar quando estiver passando por perto. Considere aqui também a sua casa, pois estarei sempre esperando por você.
Grande abraço pessoal!
Até mais.

Postar um comentário