9.1.12

Grandiosidade

"E quando Alexander deu-se conta da imensidão do seu império, ele chorou, por não existir mais nada a ser conquistado!" (Hans Gruber)



Estava querendo fazer uma postagem sobre como vejo a imensidão do mundo e como somos ao mesmo tempo tão pequenos e tão importantes para tudo. Vendo as fotos de uma postagem, cuja algumas fotos ilustram este blog (clique aqui), decidi escrever um pouco sobre isso.


Temos problema em dimensionar nossa grandeza neste mundo. Alguns "exacerbados" com seu poder ou dinheiro, tidos como infinito, crêem ser o centro do mundo e que todos sempre se sujeitarão às suas vontades. Esses tem uma queda muito grande quando percebem sua pequenez num mundo amplo em que se colocaram. 


Outros consideram-se pequenos demais e acabam por dançar a música tocada por outros. Esses não tem grande quedas, mas aproveitam pouco o que a vida lhes proporciona. De um jeito ou de outro, esses dois tipos de visão acabam por nos levar a situações muito tristes.
O primeiro, por uma situação que o levará a destruição e o outro por não conseguir viver a vida plenamente.
E como penso eu? Creio que devemos dimensionar nossa grandeza sempre pelo mundo em que estamos, pelos amigos que temos, pela família, respeitando sempre e do mesmo jeito o mais humilde trabalhador até o mais rico político.


Somos trabalhadores no mundo, em que realmente a única coisa que temos  é a e a educação/conhecimento e as pessoas que nos rodeiam, são elas nosso maior suporte.
Muitos consideram essas pessoas como família e nada tem a ver com o sangue que corre em suas veias.
A nossa grandeza sem dúvida está nos amigos verdadeiros que fizemos, na família unida que construímos, para quem realmente fazemos a diferença. Outro aspecto importante é a educação, e não escrevo sobre a acadêmica, mas àquela que permite perceber que temos muito a conquistar, mas que isso será muito pouco em relação a riqueza do mundo.


Caminhamos por um mundo desconhecido, mas com muito conhecimento a ser aprendido. 
Como é bom conversar com alguém que independe da condição financeira tem um vida belíssima, repleta de vivência e que pouco se escondeu da vida.
Para mim nossa grandiosidade sempre estará naquilo que somos/aprendemos, que é dimensionada por aquilo que podemos fazer. Você pode ser muito pequeno ou insignificante para Wung, um chinês, mas é de fundamental importância para seus amigos e familiares.
De verdade sua grandiosidade não está naquilo que é, mas na capacidade (amigos e conhecimento) que tem para ajudar a mudar a vida do outro.
Ninguém é tão pequeno que não possa ajudar alguém e ninguém é tão grande que já não precise de alguém.
E você, o que pensa? O quão grande você é?
Aquele abraço.
Até mais.


Postar um comentário