15.9.12

Granada - Parte 1

"Chora como uma mulher o que não soubesse defender como um homem" (Mãe do Rei Boabdil)
(Famosa frase dita pela mãe do monarca Boabdil quando estes se afastavam do que ele chamava de "o Paraíso Terrestre", Granada.  Isso se deveu a conquista do Reino de Granada pelos Reis Católicos, Isabel e Fernando)
Seguindo para Madrid, de onde com mais 45 minutos chegaria em Granada.
É hora de viajar, mais uma vez. Por incrível que possa parecer, o fuso, ou como meus amigos gostam de chamar "jet leg", de mais de 5 horas não é um problema para mim. Acostumo-me rapidamente com o ambiente que estou visitando. E nossa parada de hoje é Granada, na Espanha.

Belíssima catedral de Granada. Observe como estou desarrumado. O calor em Granada é muito, muito grande. Praticamente impossível manter a elegância formal (terno e gravata) num local desse :D
Granada é uma daquelas cidades que eu nunca imaginei conhecer, por ser um pouco "contra-mão"dos grandes centros acadêmicos mundiais. Contudo, um excelente evento, o Diamond, me permitiu conhecer essa belíssima cidade, repleta de história por todos os lados. Hoje vou procurar falar um pouco mais da cidade e nada sobre Alhambra, um dos grandes monumentos da Andaluzia.

Mais imagens da catedral de Granada, Espanha.
O nome Granada vem de um fruto muito consumido pelos romanos chamado "Mala granata", que é um fruta repleta de grãos cor de rubi. Aqui no Brasil, e em alguns lugares do mundo, essa fruta é conhecida como romã (uma das minhas favoritas também). Granada tem uma história belíssima de conquistas e reconquistas, sendo a última cidade a ser batalhada pelos reis católicos Fernando de Aragão e Isabel de Leão e Castela, ali enterrados.

Catedral de Granada
A cidade como um todo é belíssima e razoavelmente bem conservada. Destaca-se a catedral gigantesca,  perto de onde estão enterrados Fernando e Isabel.


Hora da minha apresentação. Ar condicionado ajuda um bocado :D
O Congresso, Diamonds and Carbon, foi realizado no Palácios dos Congressos, bem próximo ao centro de Granada, uma estrutura invejada pelos grandes locais de eventos do mundo, um verdadeiro privilégio para uma cidade de 280 mil habitantes.

Parte central da cidade com mercado e bons restaurantes que servem tapas.
Hospedei-me em uma agradável surpresa, o Hotel Reina Mora, um local muito simples, mas impressionantemente hospitaleiro e barato. Essa será a minha casa em Granada ... rsrs.
Com relação a comida, uma das maiores propagandas da Espanha, tenho que ser sincero que a achei "ok", o Jamons (tão tradicionais na Espanha e que consumi antes) também são gostosos, mas nada de excepcional. 
O grande atrativo da cidade são os "Tapas" que são pequenas porções de pão (costumeiramente), com alguma coisa em cima, que são servidas juntamente com a bebida. É padrão servir tapas quando se pede uma bebida, não é necessário perguntar sobre isso. Aliás a palavra tapas vem da utilidade dessa comida servida juntamente com a bebida. Ela era utilizada para tapar, dos mosquitos, a bebida que se estava consumindo. Vale a pena experimentar os diferentes tipos de tapas.
Enfim, Granada é uma excelente cidade para se conhecer de verdade a história espanhola.
Em breve, espero, escrevo sobre o maior monumento da cidade, Alhambra!
Abraço.


Postar um comentário